Pesquisa no blog

Carregando...

sábado, 24 de janeiro de 2009

Caiu no vestibular (UFCG 2009) - Os Goliardos

Goliardos
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Goliardos, na
Idade Média eram clérigos pobres, egressos das universidades. Desamparados pela Igreja, tornavam-se itinerantes (clerici vagantes), vagabundos, de espírito transgressivo e provocador. Em meados do século XIII, perambulavam pelas tavernas, portas das universidades e outros lugares públicos, cantando e declamando seus poemas satíricos, um tanto cínicos, muitas vezes denunciando os abusos e a corrupção da própria Igreja, ou poemas eróticos, freqüentemente muito ousados.
A
poesia dos goliardos era uma natural expressão do espírito das tabernas e confrarias. Descritos por Van Woensel (2001, p.25) como "a ala 'esquerda' da corporação clerical", os goliardos se aproveitavam da formação erudita para compor, algumas vezes na clandestinidade, canções nada edificantes de teor satírico, amoroso e até mesmo licencioso.
No Medievo existe também uma vertente goliardesca em
literatura, que teve como expoentes Cecco Angiolieri e Gautier de Châtillon, que também expressam em seus poemas esse caráter debochado do indivíduo que se dedica aos jogos, às mulheres, aos prazeres mundanos - um personagem que inspirou numerosos gêneros literários.
Esta tendência ao amor, ao jogo e ao vinho marcam suas composições poéticas reunidas nos Carmina Burana, nos quais à exaltação dos prazeres carnais se associa a crítica à Igreja medieval, que condena os costumes libertinos. Carmina Burana é um códice contendo mais de 200 canções profanas compostas por esses artistas, que esmolavam para ganhar a vida. Carl Orff editou, em 1937, parte dessas canções para compor a cantata cênica homônima.
Acima de tudo, com o goliardorismo, deu-se o início da transição para uma literatura moderna e humanista cujo grande exemplo foi a Divina Comédia, escrita por Dante Alighieri (1265-1321), pensador e político italiano, considerado precursor do Renascimento. O poema a seguir extraído das Confissões de Golias é ilustrativo da poesia dos goliardos, de meados da baixa idade média:
“Padre, discreto entre os discretos,
Dá-me absolvição!
É grata a morte que me leva,
É doce extinguir-me,
Pois meu coração sofre
Da meiga doença que a beleza traz;
Todas as mulheres que não alcancei
Possuo em minha ilusão.
É tão difícil conseguir
Que a natureza se renda
E, junto às belas, corar e fingir
Que se é o campeão da inocência!
Nós os moços, não submeteremos jamais
Nossos desejos à lei severa,
Nem afastaremos do pensamento
Esses corpos macios e ternos".
(In: Freitas, Gustavo de. 900 textos e documentos de história. Lisboa: Plátano, 1975).

Etimologia
A origem da palavra goliardo é um tanto obscura e controversa. Prossivelmente deriva do
francês antigo goliart. Na origem, significava "bufão", e teria adquirindo, no século XIII, o sentido de glutão, debochado. Poderia também derivar de gole, goule (depois gueule, goela) ou do nome de Golias, o gigante bíblico, símbolo dos inimigos da Igreja (que seria simbolizada por David), em razão dos poemas freqüentemente anticlericais declamados pelos goliardos. O elemento goli- também poderia ser de origem protogermânica, tendo, neste caso, o sentido de gritar, cantar em voz alta, brincar, fazer rir. No latim medieval goliardus, teria afinal assumido o sentido de "clérigo ou estudante vagabundo". Dicionário TLFi Existe ainda a hipótese de que poderia ser proveniente da contração de "Golia Abelardo", em alusão ao grande intelectual Pedro Abelardo - prelado da Igreja do século XII, personagem controverso e adversário intelectual de São Bernardo de Claraval - inspirador do estilo de vida goliardo.

As origens medievais
A origem histórica dos goliardos situa-se em torno do século XII, quando o
renascimento econômico comercial rompe o imobilismo dos séculos precedentes e aumenta a mobilidade social.
A própria dificuldade de enquadrar os goliardos dentro de um esquema social preciso, como acontecia na
Alta Idade Média, quando os papéis sociais eram bem definidos, gera suspeita e escândalo entre os conservadores da época.
Os goliardos, afinal, são jovens intelectuais de espírito livre que, por sua condição econômica e social, são impedidos de se tornar professores das universidades medievais ou mesmo de prosseguir seus estudos, tornando-se intelectuais marginalizados, rebeldes, vivendo de expedientes, eventualmente a serviço dos ricos, seguindo o mestre preferido ou permanecendo onde ensinam professores famosos.
“Anárquicos”, são opositores de todos aqueles que se reconhecem nas castas sociais medievais, não só aqueles associados ao poder eclesiástico ou político mas também aqueles que estão presos à mediocridade e à ignorância, como os camponeses. Por sua feroz crítica antipapal, são freqüentemente associados ao partido
gibelino mas na realidade os goliardos vão além: vêm no Papa não apenas o hipócrita tutor da tradição moral mas também o expoente de uma hierarquia organizada sob a nova força do dinheiro:
Mas também no clero, os goliardos fazem distinção entre os párocos, que são poupados da sua crítica corrosiva por serem considerados vítimas da
hierarquia e da avidez dos frades, que, com sua hipócrita profissão de humildade e pobreza, na realidade concorrem com os padres e se apoderam dos fiéis e dos donativos, vivendo uma vida de gozo nos conventos. Assim, para os Goliardos, "A ordem do clero aos laicos tem má fama: a esposa de Jesus virou venal, mulher pública agora é quem era dama".
Os goliardos sofreram perseguições e condenações, e acabaram por desaparecer da cultura dos séculos seguintes, à qual, todavia, deixaram como herança as suas idéias que reviveriam nos intelectuais do
Humanismo, durante o Renascimento.
"A ordem do clero aos laicos tem má fama: a esposa de Jesus virou venal, mulher pública agora é quem era dama."

Bibliografia
· Van WOENSEL, Maurice. Simbolismo animal na Idade Média: os bestiários: um safári literário à procura de animais fabulosos. João Pessoa:Ed. Universitária/UFPB, 2001.
ISBN 8523702970.

Nenhum comentário:

Postar um comentário